Pular para o conteúdo principal

A importância das ciências humanas no currículo

Por Ivo Lima: Ao tratar da reforma do ensino médio, cuja Lei n° 13.415/17 foi aprovado em fevereiro passado, é importante ressaltar que a inclusão das disciplinas de Filosofia e Sociologia foi resultado de uma grande mobilização no interior da sociedade brasileira, através da articulação, organização e participação de entidades educacionais, bem como da sociedade civil organizada. Com essa longa luta, desde o início dos anos 80, conseguiu-se a aprovação destas disciplinas como obrigatórias no currículo escolar, em 2008, tendo como base legal a Lei 11.684/08. De lá para cá, diversas entidades educacionais, entre elas a Associação de Professores (as) de Filosofia e Filósofos (as) do Estado de São Paulo (APROFFESP), empenham-se muito no sentido de consolidar um trabalho com consistência, no campo teórico e prático, em relação à Filosofia e sua finalidade na formação das novas gerações. Mas o Ministério da Educação do governo Michel Temer, por intermédio de seu Ministro, Mendonça Filho, enviou ao Congresso Nacional, em 22/09/16, a Medida Provisória n° 746 que propôs a reforma do ensino médio, a qual já havia sido proposta pelo PL N. 6.840/13 e que vinha sendo discutido pela sociedade e instituições de ensino desde então. No bojo das discussões sobre essa reforma estava a proposta de uma nova Base Nacional Comum Curricular com modificações em sua grade. Daí vimos que o atual governo, com sua “assinatura”, simplesmente eliminou o Artigo 36 da Lei de Diretrizes e Base (LDB)/96, tornando a Filosofia e a Sociologia disciplinas não mais obrigatórias, o que garantia o referido Artigo. Com isso, retrocedemos ao estágio da Lei 5.692/71, da ditadura militar, que tinha exilado a Filosofia do currículo escolar. Mas perguntamos, trata-se realmente de um “novo ensino médio”? As peças publicitárias do governo federal na grande mídia, afirmam que essa reforma contou com a participação da sociedade, por meio de uma ampla consulta, via site do Ministério da Educação feita durante o governo Dilma, aos setores interessados, como: professores, alunos, pais e equipes gestoras. Isso ocorreu de verdade, confirme destaca essas propagandas? E se houve essa participação, as sugestões de fato foram analisadas e incorporadas? Não sabemos! Além disso, afirma a propaganda oficial que os alunos vão poder escolher as matérias que quiserem, conforme as opções oferecidas pelas cinco áreas, a saber: I. Linguagem; II. Matemática; III. Ciências da Natureza; IV. Ciências Humanas; e V. Formação técnica e profissionalizante. Será mesmo que os alunos irão poder escolher? E se irão, em que condições? E nota-se aqui o acréscimo da quinta “área do saber”, não explícita nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) de 1998. E como será feita essa formação técnica e profissionalizante para o mundo do trabalho? Na realidade, o foco dessa reforma é assentado no tecnicismo, sem levar em conta a formação humanista dos educandos; e o conceito “mundo do trabalho” é facilmente substituído pelo “mercado do trabalho” e sua lógica produtivista. Para finalizar, citamos: “Deixar de ser obrigatório no currículo, entre outras disciplinas, Filosofia, Sociologia, Artes, Educação Física é cortar o corpo e o pensamento, o lúdico, o afetivo – ao mesmo tempo em que se rouba dos jovens a oportunidade de incitar um pensamento capaz de olhar em perspectiva, perceber conexões, livrar-se de uma condição de embrutecimento, em que um mundo que apresenta os acontecimentos de forma isolada e desconectada de suas origens, causas, implicações, seguindo uma lógica próxima às colunas dos jornais, que apresentam as notícias isoladamente, sem estabelecer conexões entre si, entre elas e em nossas vidas. Há muito a ser questionado nos modelos de ensino e escola, mas isso implica uma imersão em conteúdos e lógicas próprias às disciplinas que ora estão sendo excluídas dos currículos, e não o contrário. (...). Estamos, portanto, dando um tiro no pé ao retornar a um discurso que valoriza a instrução (Kant) e o ensino técnico profissionalizante”. (Ângela Madeiros Santi, doutora em Filosofia pela PUC/RJ e coordenadora do projeto ITEC (Imagem, Texto e Educação do Imaginário Social), da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).


Ivo Lima Professor de Filosofia e Escritor Diretor de Políticas Pedagógicas da APROFFESP Email: ivodos@yahoo.com.br

http://aproffesp.org/files/PDF/plen%C3%A1rias/2017/Cincias_Humanas_e_Filosofia_-_Ivo_Lima_Santos.pdf

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RESPOSTA AO ARTIGO DO JORNALISTA PAULO CHAGAS: Sobre a história do Brasil

Por Chico Gretter: Ontem recebi um relato de um tal jornalista Paulo Chagas que elogiava os generais do regime militar e atacava o Lula, comparando a abnegação dos militares com o oportunismo do petista e acusou os "brasileiros" de profunda ignorância sobre a nossa história... Não entrando em questões pessoais de quem é mais bonito, fiz a seguinte reflexão:                                                                                                                   RESPOSTA AO ARTIGO DO JORNALISTA PAULO CHAGAS: sobre a história do Brasil, como professor de História que sou, devo discordar de várias afirmações do jornalista Paulo Chagas sobre a época do regime militar. Os generais que governaram o país por 21 anos podem ter sido honestos, mas a política de alinhamento de nossa economia ao capitalismo internacional/$USA que ainda domina a América Latina sempre provocou uma dependência muito grande de nossos países aos EUA, sem falar nos milhares de presos, torturados, exil…

“ESCOLA SEM PARTIDO”: O QUE ISSO SIGNIFICA?

Por Dermeval Saviani

No Brasil o atual governo, resultado de um golpe parlamentar, vem tomando várias iniciativas na direção do abastardamento da educação. A par de medidas como cortes no orçamento, destituição e nomeação de membros do Conselho Nacional de Educação sem consulta, um sinal emblemático da intervenção nos próprios conteúdos e na forma de funcionamento do ensino é o movimento denominado “Escola sem partido” que se apresenta na forma de projetos de lei na Câmara dos Deputados, no Senado Federal e em várias Assembleias Estaduais e Câmaras Municipais do país.

O referido projeto é chamado por seus críticos de “lei da mordaça”, pois explicita uma série de restrições ao exercício docente negando o princípio da autonomia didática consagrado na legislação e nas normas relativas ao funcionamento do ensino. A motivação dessa ofensiva da direita tem um duplo componente.

O primeiro é de caráter global e tem a ver com a fase atual do capitalismo que entrou em profunda crise de caráter e…

Por que um feriado Nacional para celebrar o Dia da Consciência Negra?

Em 9 de janeiro de 2003, foi sancionada a lei n°10.639/03 que institui a obrigatoriedade da inclusão do ensino da História da África e da Cultura Afro-brasileira, nos currículos de estabelecimentos públicos e particulares de ensino da educação básica.

Com a Lei 10.639/03 também foi instituído o dia 20 de novembro como dia Nacional da Consciência Negra sendo outorgada aos estados e municípios decretarem feriado ou não.
A data faz memória ao dia da morte do líder quilombola negro Zumbi dos Palmares. (1655-1695)

Em 06 de Outubro de 2017 a  Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou o Projeto de Lei 296/15, que transforma o Dia Nacional da Consciência Negra em Feriado Nacional

O parecer do relator, deputado Chico Alencar (Psol-RJ), foi pela constitucionalidade, juridicidade e técnica legislativa do projeto e do substitutivo da Comissão de Cultura. Em vez de criar uma nova lei, o substitutivo modifica a Lei 662/49, que define os feriados nacionais.

http://www2.camara.leg.br…