Pular para o conteúdo principal

16 de Agosto Dia do filósofo: Onde estão as filósofas?



Neste dia do Filósofo, é pertinente a pergunta: Onde estão as filósofas? A que poderíamos responder estão por todas as partes, ainda que a voz masculina se queira preponderante, visto que, a sociedade ainda não superou a herança patriarcal transmitida de geração a geração.


De modo que ao lançarmos um olhar mais cuidadoso sobre a história da filosofia, notamos a sutileza com que a presença feminina vai sendo ofuscada e muitas vezes reduzida a um papel secundário, não raras vezes vamos encontrar mulheres mencionadas como: discípulas, amantes, esposas e com menor frequência colaboradoras. Somente a partir da década de 60 com os avanços da luta feminista é que a história começa a registrar os primeiros casos de protagonismo das inúmeras filósofas que fazem parte da história.

Recorro ao riquíssimo trabalho MULHER E FILOSOFIA: ONDE ESTÃO AS FILÓSOFAS? De autoria da professora Juliana Pacheco Borges da Silva para trazer à luz o fazer filosófico de algumas das principais mulheres que ousaram pisar esse campo e deixar suas marcas tão profundamente que nenhuma ideologia machista pode apagar.

Sendo impossível enumerar todas as filósofas, Silva elegeu três grandes nomes femininos para cada período filosófico:

ANTIGUIDADE

Safo de Lesbos (VII-VI a. C.) conhecida por lidar diretamente com as artes poéticas e musicais, criou um ambiente para que as mulheres pudessem desenvolver suas habilidades artísticas;

Diotima de Mantineia (427-347 a. C.) é conhecida pelos diálogos platônicos sobre o amor, mais especificamente no O Banquete. Como só encontramos a presença dessa filósofa nos escritos de Platão, há dúvidas de sua existência, mas como teve uma marcante presença na obra desse filósofo, podemos nos direcionar a favor do existir;
Hipácia de Alexandria (415 d. C.) foi uma filósofa e grande conhecedora de Matemática e Astronomia. Ela foi professora na Academia de Alexandria, substituindo o filósofo Plotino.
IDADE MEDIA:
Heloísa de Paráclito (1101-1164) mais conhecida por sua relação escandalosa e conturbada com Abelardo, que era casado. Também se destacava por sua dedicação e inteligência. Assim, sendo reconhecida como possuidora do dom a escrita e leitura, escrevendo Problemata;
Catarina de Siena (1347-1380) foi uma líder italiana de uma comunidade heterodoxa de homens e mulheres. Também escreveu Diálogo da Doutrina Divina;
Cristina de Pizan (1365-1431) foi uma filósofa poetisa, que ficou conhecida por criticar a misoginia dentro do meio literário. Na sua obra A Cidade das Mulheres, ela questiona a autoridade masculina de seu tempo.
IDADE MODERNA
Mary Astell (1666-1731) foi uma inglesa que uniu todas suas convicções as causas feministas;
Mary Wollstonecraft (1739-1797) foi uma escritora e filósofa inglesa, ficando conhecida pelas suas defesas aos direitos das mulheres. Sua obra A Reivindicação dos Direitos das Mulheres, é considerada como uma das mais importantes.
Olímpia de Gouges (1748-1793) foi uma francesa que Se destacou pelos seus escritos revolucionários em defesa das mulheres e dos negros. Uma de suas obras em destaque é Os Direitos da Mulher e Cidadã.
IDADE CONTEMPORÂNEA
Rosa Luxemburgo (1871-1919) foi uma filósofa marxista, que se tornou mundialmente conhecida por suas ações revolucionárias e por fundar o Partido Social-Democrata (SPD) da Polônia e Lituânia. Escreveu diversas obras todas ligadas as questões da economia capitalista e o proletariado. Dentre elas se destacam, Acumulação do Capital, Greve de Massas, Partidos e Sindicatos, entre outras;
Hannah Arendt (1906-1975) foi uma filósofa alemã de família judia. Seus estudos se deram dentro da ciência política. Ela foi uma das poucas filósofas que não chegou a escrever sobre a condição feminina. Suas obras se enquadravam dentro da filosofia política, seu primeiro livro foi intitulado como As Origens do Totalitarismo;
Simone de Beauvoir (1908-1986) foi uma escritora e filósofa francesa, ficando conhecida como companheira de Sartre e por utilizar de seu existencialismo em suas obras. Destacou-se nas questões feministas, principalmente quando lançou seu famoso livro O Segundo Sexo, o qual se tornou fundamental para qualquer feminista que quisesse compreender as questões das mulheres e de sua existência.
Estas mulheres representam aqui todas àquelas que fizeram parte da história da filosofia. “A tarefa que nos cabe atualmente é fazer valer a presença destas mulheres que por muitos anos foram e ainda são ocultadas. Devemos deixar essas vozes gritarem, já que passaram um bom tempo silenciadas”.
A Filosofia Brasileira também tem suas representantes femininas, seguindo o modelo anterior vou aqui eleger três mulheres contemporâneas que estão ainda a escrever suas histórias no campo filosófico.
Marilena Chauí (São Paulo, 04 de setembro de 1941) Marilena é Presidente da Associação Nacional de Estudos Filosóficos do século XVII, Doutora Honoris Causa pela Universidade de Paris VIII e Doutora Honoris Causa pela Universidad Nacional de Córdoba, da Argentina. Em sua obra é possível encontrar temas como ideologia, cultura, universidade pública, entre outros. Destacam-se os livros Repressão Sexual, Da Realidade sem Mistérios ao Mistério do Mundo, Introdução à História da Filosofia, Convite à Filosofia, A Nervura do Real, Simulacro e poder, entre outros.
Viviane Mosé ( Vitória, 16 de janeiro de 1964) Filósofa, poetisa, e especialista em elaboração e implementação de políticas públicas. Mestre e doutora em filosofia, tem diversos livros escritos.
Márcia Angelita Tiburi (Vacariam 6 de abril de 1970) Filosofa, artista plástica, professora de filosofia. Publicou livros de filosofia, entre eles Magnólia, que foi finalista do Prêmio Jabuti e A Mulher de Costas. Escreve também para jornais e revistas especializados, assim como para a grande imprensa. Seu livro Como Conversar com Um Fascista, publicado pela Editora Record, fala sobre temas como genocídio indígena, racismo e classismo, homofobia, feminicídio e manipulação de crianças.

Por fim, exalto e homenageio neste 16 de agosto todas as filósofas e abraço fraternalmente na pessoa dos Professores Filósofos Aldo Santos, presidente da APROFFIB (Associação dos Professores (as) de Filosofia e Filósofos(as) do Brasil) e Chico Glitter presidente da APROFFESP (Associação dos Professores(as) de Filosofia e Filósofos(as) do estado de São Paulo). Todos os Filósofos que rejeitaram a “herança maldita do patriarcado” e constroem o pensamento crítico para além da questão de gênero, defendendo uma sociedade igualitária, sem mordaça onde impere princípios éticos. Bem como o necessário Ensino da Filosofia em todas as modalidades da educação.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A APROFFIB apoia e convida a todos para GREVE GERAL no dia 30 de junho

LUTAR É PRECISO!!!
A APROFFIB apoia e convida a todos para GREVE GERAL no dia 30 de junho
"Morrer ou deixar morrer" Não é querer fazer alusão as ideologias nazistas ou a qualquer tipo de ideologias, nem é ser anarquista, mas pelo contrário, é suscitar uma atitude crítica na sociedade em que vivemos. Recordarmos Nietzsche quando diz que nos tornamos passíveis diante dos problemas sem questionar ou lutar, enfim quando fugimos dos nossos direitos, transferimos o nosso poder a outras pessoas. Assim nós o perguntamos “morrer, ou deixar morrer”? Morrer é lutar pelos seus direitos, é lutar pela vida é fazer algo de sua existência, e deixar morrer é simplesmente cruzar os braços para tudo, para sociedade e principalmente para esse governo que nos massacra e tira de nós trabalhadores o direito à vida digna, o direito ao trabalho digno e principalmente o direito de se aposentar. E hoje, o que estamos fazendo? Durante o nazismo, o povo alemão matou e deixou morrer “por não saber o que ac…

RESPOSTA AO ARTIGO DO JORNALISTA PAULO CHAGAS: Sobre a história do Brasil

Por Chico Gretter: Ontem recebi um relato de um tal jornalista Paulo Chagas que elogiava os generais do regime militar e atacava o Lula, comparando a abnegação dos militares com o oportunismo do petista e acusou os "brasileiros" de profunda ignorância sobre a nossa história... Não entrando em questões pessoais de quem é mais bonito, fiz a seguinte reflexão:                                                                                                                   RESPOSTA AO ARTIGO DO JORNALISTA PAULO CHAGAS: sobre a história do Brasil, como professor de História que sou, devo discordar de várias afirmações do jornalista Paulo Chagas sobre a época do regime militar. Os generais que governaram o país por 21 anos podem ter sido honestos, mas a política de alinhamento de nossa economia ao capitalismo internacional/$USA que ainda domina a América Latina sempre provocou uma dependência muito grande de nossos países aos EUA, sem falar nos milhares de presos, torturados, exil…

“ESCOLA SEM PARTIDO”: O QUE ISSO SIGNIFICA?

Por Dermeval Saviani

No Brasil o atual governo, resultado de um golpe parlamentar, vem tomando várias iniciativas na direção do abastardamento da educação. A par de medidas como cortes no orçamento, destituição e nomeação de membros do Conselho Nacional de Educação sem consulta, um sinal emblemático da intervenção nos próprios conteúdos e na forma de funcionamento do ensino é o movimento denominado “Escola sem partido” que se apresenta na forma de projetos de lei na Câmara dos Deputados, no Senado Federal e em várias Assembleias Estaduais e Câmaras Municipais do país.

O referido projeto é chamado por seus críticos de “lei da mordaça”, pois explicita uma série de restrições ao exercício docente negando o princípio da autonomia didática consagrado na legislação e nas normas relativas ao funcionamento do ensino. A motivação dessa ofensiva da direita tem um duplo componente.

O primeiro é de caráter global e tem a ver com a fase atual do capitalismo que entrou em profunda crise de caráter e…