Pular para o conteúdo principal

Retrospectiva: As batalhas de 2017

Apesar de Temer as consequências deste "longo ano politicamente falando", Sigo em frente semeando esperança rumo a utopia possível.


Olho pra trás e nem avisto mais onde se iniciou a jornada, foram tantos encontros, reencontros e desencontros, risos e lágrimas, exaustiva e prazerosa labuta alimentada com pó de giz e tinta a colorir a vida de Ninfas e Imberbes no chão das salas de aulas (16 salas ao todo numa media de 400 alunos)

Por temer a traição da memoria recorro às redes sociais afim de ser fiel aos fatos que marcaram o ano que finda, foram inúmeras postagens... Dizem alguns aqui de casa que teve até arroz queimado por ter me distraído espinhando a janelinha virtual (o que nego sem muita convicção) Teve também amig@s próxim@s enciumad@s por tantas curtidas e compartilhamentos. (É possível que tenha havido um certo exagero). Fato é que não faltou tempo para os encontros reais. Teve muita cerveja, comida boa, música, poesia e abraços apertados. Reuniões e inúmeras pautas debatidas no partido (Psol), No sindicato (Apeoesp Franco da Rocha) nas escolas e na comunidade. E claro Reflexão Filosófica e Práxis Revolucionária nas Associações de Filosofia (Aproffesp e Aproffib).

No primeiro registro do ano cumpro um delicioso ritual, degustando uvas frescas em companhia da família de sangue e de alma.

Legenda: "2016 já pode ir e levar contigo toda a negatividade dos Golpistas... 2017 nos traga muita paz, esperança e força para os embates que virão!"


Esperançados foram os primeiros dias de janeiro de 2017, dias de férias acarinhado as crias, passeando no parque fazendo bolinho de chuva saboreando as delicias e simplicidades da vida.

Nem bem chegou o Carnaval vieram as atribulações com a Atribuição de aula, Planejamentos e volta ao trabalho!

O Governo ilegitimo e seus golpistas não nos deram trégua e tivemos que arregaçar as mangas e ir pra luta, contra as Reforma/Desmonte das leis trabalhistas. E fomos pra ruas, tomamos as praças e em 08 de março realizamos Assembleia Estadual de professores com indicativo de greve e nos juntamos à Marcha das Mulheres, gritando numa só voz "Nenhuma a Menos"! Não aceitamos nenhum tipo de violência de gênero, não aceitamos o aumento da violência contra a mulher e combatemos a cultura machista patriarcal que machuca e mata mulheres aos milhares no mundo inteiro sendo o Brasil o 5º país com maior taxa de feminícidio. Não aceitamos a Reforma da Previdência que vitima toda a classe trabalhadora e de modo ainda mais perverso as mulheres.

Legenda: EU PARO! BORA FLORIR AS RUAS COM NOSSOS SONHOS E EXIGIR O QUE É NOSSO POR DIREITO! "Porque o nosso lugar é onde quisemos estar!"

E assim foram os nossos dias, marcados por muitas lutas e mobilizações em preparação a uma grande greve geral para parar as reformas e denunciar a política reacionária e fundamentalista de Temer. Nos posicionamos Contra a Reforma do Ensino Médio, Contra a Reforma da Previdência que ameaça o direito à aposentadoria e Contra a Terceirização que precariza as condições de trabalho afetando toda a Classe Trabalhadora da qual fazemos parte.


Como nem tudo são pedras, e sigo por convicção as pegadas da grande filosofa Rosa de Luxemburgo ciente do peso das correntes, o árduo caminhar me levou a integrar a Direção Estadual da Aproffesp (Associação de professores de filosofia e filósofos(as) do Estado de São Paulo). Contribuindo no campo sindical na reflexão e práxis para construção de uma sociedade mais justa e fraterna edificada no direito ao livre pensar. Parafraseando Gramsci, seguimos instruindo, "porque teremos necessidade de toda vossa inteligência. Agitai-vos porque teremos necessidade de todo vosso entusiasmo. Organizai-vos porque teremos necessidade de toda vossa força.”



Em abril hasteamos bandeiras de esperança por todo o Brasil, construímos uma grande mobilização e
paramos o país. A classe trabalhadora acenava para as direções sindicais sua disposição para a luta contra às reformas, conclamando uma greve geral no dia 30 de junho, infelizmente os "representantes burocratizados" não entenderam o recado e desceram as bandeiras à meio-pau.


Em 1º de maio a Praça da Sé (Não tão lotada como outrora) celebrou a vida e a luta da Classe trabalhadora. Num cenário de retrocesso e ataques brutais contra o Conjunto da Classe Trabalhadora, avanço do conservadorismo e de ideias fascistas que ameaçam a democracia e as conquistas dos últimos períodos, ameaçando sobre maneira a nós mulheres lembramos uma vez mais Simone de Beauvoir: “É pelo trabalho que a mulher vem diminuindo a distância que a separava do homem, somente o trabalho poderá garantir-lhe uma independência concreta”. Nós assumimos mais uma vez a vanguarda e fomos para o enfrentamento irmanadas com nossos companheiros que já se emanciparam dos velhos conceitos machistas, sexistas e entenderam que a luta é de todas e todos contra o sistema da dominação do capital que explora homens e mulheres e agora ameaça de modo vil as gerações futuras. Nossa luta é contra o sistema capitalista.

Ainda no primeiro bimestre do "longo ano" teve eleições da Apeoesp. Teve Oposição Unificada (Lutamos o bom combate) Garantimos direções de várias Subsedes de Luta. Infelizmente na direção estadual não conseguimos derrotar a Chapa da situação que jogou toda a estrutura sindical e partidária a favor da continuação de um sindicato que consideramos demasiado burocratizado.





Resumo em breves pinceladas o segundo semestre que foi demasiado duro e impôs derrotas significantes à classe trabalhar diante da consolidação do Golpe que culminou com a aprovação das chamadas "Reformas" verdadeiro desmonte das leis trabalhistas com aprovação da Terceirização, Retrocesso nas Leis Trabalhistas, etc... E findamos o ano com a ameça da aprovação da Reforma da Previdência que ataca de forma direta o conjunto da classe trabalhadora.

Se é verdade que perdemos, também é verdade que não arregamos e na primeira hora de 2018 estaremos apostos para defender a construção de uma sociedade mais justa e Fraterna, uma sociedade socialista.

    

   

Professores em Luta por uma educação Pública, Gratuita e de Qualidade para tod@s!


Assembleia de Professores na Praça da República



Ato Contra a Reforma da Previdência no Palácio dos Bandeirantes

Representação da subsede de Franco da Rocha na Aesp contra a votação do PL 920

Plenária do Psol Caieiras Parabéns companheirada

6°CONGRESSO ESTADUAL DO PSOL - TLS e coletivo de Mulheres apoiando Lisete Pré Candidata a Governadora

VII Conferencia Estadual de Mulheres da Apeoesp: Representando a Subsede de Franco da Rocha

05 de Dezembro Ato Contra a Reforma da Previdencia: Na luta contra a Reforma da Previdência, Contra o recuo absurdo das Centrais Sindicais. Em defesa de uma saída Socialista para o Brasil!. Defendemos a Pré candidatura do companheiro Plínio à Presidente da República pelo PSOL

6º Encontro Regional para Reflexão de Políticas Públicas para Mulheres
Orgulho dessas guerreiras que tecem na luta do dia a dia uma rede de proteção contra toda e qualquer forma de violência contra a mulher! Parabéns meninas! #NemUmaMenos!

Plenária Estadual da TLS - Orgulho de fazer parte deste time.



Abraço de Luta companheirada! Nos encontramos em 2018

É preciso Resistir, Lutar e não Desistir Jamais!

Lúcia Peixoto, Filósofa, Militante do Psol, da APEOESP e da APROFFESP.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“ESCOLA SEM PARTIDO”: O QUE ISSO SIGNIFICA?

Por Dermeval Saviani

No Brasil o atual governo, resultado de um golpe parlamentar, vem tomando várias iniciativas na direção do abastardamento da educação. A par de medidas como cortes no orçamento, destituição e nomeação de membros do Conselho Nacional de Educação sem consulta, um sinal emblemático da intervenção nos próprios conteúdos e na forma de funcionamento do ensino é o movimento denominado “Escola sem partido” que se apresenta na forma de projetos de lei na Câmara dos Deputados, no Senado Federal e em várias Assembleias Estaduais e Câmaras Municipais do país.

O referido projeto é chamado por seus críticos de “lei da mordaça”, pois explicita uma série de restrições ao exercício docente negando o princípio da autonomia didática consagrado na legislação e nas normas relativas ao funcionamento do ensino. A motivação dessa ofensiva da direita tem um duplo componente.

O primeiro é de caráter global e tem a ver com a fase atual do capitalismo que entrou em profunda crise de caráter e…

Por que um feriado Nacional para celebrar o Dia da Consciência Negra?

Em 9 de janeiro de 2003, foi sancionada a lei n°10.639/03 que institui a obrigatoriedade da inclusão do ensino da História da África e da Cultura Afro-brasileira, nos currículos de estabelecimentos públicos e particulares de ensino da educação básica.

Com a Lei 10.639/03 também foi instituído o dia 20 de novembro como dia Nacional da Consciência Negra sendo outorgada aos estados e municípios decretarem feriado ou não.
A data faz memória ao dia da morte do líder quilombola negro Zumbi dos Palmares. (1655-1695)

Em 06 de Outubro de 2017 a  Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou o Projeto de Lei 296/15, que transforma o Dia Nacional da Consciência Negra em Feriado Nacional

O parecer do relator, deputado Chico Alencar (Psol-RJ), foi pela constitucionalidade, juridicidade e técnica legislativa do projeto e do substitutivo da Comissão de Cultura. Em vez de criar uma nova lei, o substitutivo modifica a Lei 662/49, que define os feriados nacionais.

http://www2.camara.leg.br…

110 Anos de Simone de Beauvoir: "Mulheres, vocês devem tudo a ela!".

Dia 9 de Janeiro de 2018 comemoramos o aniversário  de 110 anos da imortal Simone de Beauvoir. Escritora e filósofa francesa, notória defensora das causas feministas, e uma das maiores representantes do pensamento existencialista francês.

Não é raro questionamentos, ainda hoje, sobre o lugar da mulher na construção histórica do pensamento filosófico, a exemplo de tantas outras áreas, as filósofas tiveram muito da sua contribuição usurpada, bastando um olhar superficial sobre a história da filosofia para notarmos a forma quase sutil com que a presença feminina vai sendo ofuscada e muitas vezes reduzida a um papel secundário, não raras vezes vamos encontrar mulheres mencionadas como: discípulas, amantes, esposas e com menor frequência colaboradoras. No caso de Beauvoir coube-lhe o titulo de "companheira de Sartre" titulo este que ela nunca renegou, sem jamais esconder sua afetividade tão pouco deixar-se diminuir pelo brilho inegável do companheiro.

Nós mulheres não só as …