Pular para o conteúdo principal

Lúcia Peixoto Filosofa Poetizando: Perspectivas 2018!

Essa coisa de calendário, datas comemorativas, fechamento e reinicio de ciclos é mesmo uma invenção capitalista. Nem bem acabaram as uvas passas do natal e o mercado já está pronto para nos dar um banho de purpurina de carnaval. Não que eu não goste de festejar a vida, pelo contrário, levo toda e qualquer data como pretexto para saudar amigos, abraçar a família e fazer caras e bocas para as fotos.

O que me faz sentar diante do teclado, hoje último dia da Primeira semana de 2018 e analisar atentamente minha retrospectiva de 2017 é a esperança de que ainda que “Ilusoriamente” um ciclo se encerre para que outro se inicie. Já que é hora de esbouçar linhas mestras que nortearão o planejamento do novo ano, pensei em começar traçando as perspectivas... e cá estou a ruminar.

Na vida pessoal muito a agradecer, meus filhos crescem saudáveis, seus sonhos alimentam minha labuta, a vida amorosa segue em compasso de espera (Não de um príncipe encantado, que nunca fui gata borralheira). Que venham novos dias!

Profissionalmente sinto-me realizada no desejo de partilhar conhecimentos, há muito a aprender e um pouco a ensinar, a sala de aula é onde eu sempre quis estar.

O que me inquieta de fato é a Militância, no sentindo definido pelo dicionário (Prática da pessoa que defende uma causa, de quem busca a transformação da sociedade através da ação: militância política, social, estudantil, etc...) Salientando para importância de não confundir com: Militança ( trabalho e/ou ofício de militar), termos infelizmente antagônicos, uma vez que nós Militantes estamos (ou devemos estar) na defesa dos interesses da classe trabalhadora (não que o militar não seja trabalhador, só não se reconhece como tal, exceto em raríssimas ocasiões revolucionárias, as fardas estão sempre a serviço dos governos sustentados pelos patrões.) Esclarecido o significado dos termos e suas implicações, vamos às inquietações.

2018 tende a ser continuação do “nefasto 2017” com a consolidação da política do governo ilegítimo de Temer sob a égide positivista da “Ordem e Progresso” que embarcou o país inteiro num trem desgovernado rumo ao engodo que os golpistas chamaram “Ponte para o futuro”, que nada mais é que uma pinguela com destino ao passado. (Haja visto o roteiro reacionário das tais reformas).

Considerando que este será um ano eleitoral redobra a necessidade de intensa militância, para que interesses pessoais não se sobrepõem aos coletivos e não haja abuso de poder, mesmo no campo da esquerda onde atuamos (utilização da máquina pública e sindical) por parte de pseudos representantes de classe (candidatos (as) a cargos eletivos).
Destarte início “minhas perspectivas” inspirada em Maiakóvski "Não estamos alegres, é certo, mas também por que razão haveríamos de ficar tristes? O mar da história é agitado. As ameaças e as guerras havemos de atravessá-las, rompê-las ao meio, cortando-as como uma quilha corta as ondas". Convidando a esperançar filosofando e poetizando a vida que seguira o curso que vamos determinar!

Se há destino não sei
Fato é que gosto de contar com a sorte
Deixar que “ o acaso me proteja caso eu fique distraída”Para que quando meus hiatos se prologarem em demasia
Os devaneios me roubarem a realidade
A deusa me ajude
Trilhar o melhor caminho
Saber a hora certa de parar e respirar
Se necessário redefinir o percurso
Recomeçar, sem jamais perder de vista o horizonte
Sabendo que a utopia é meu pote de ouro
Não importa o quanto eu tenha que caminhar
Ela estará me esperando
Lá no infinito, onde nasce o arco íris!

https://youtu.be/92xZC2H9df0


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A APROFFIB apoia e convida a todos para GREVE GERAL no dia 30 de junho

LUTAR É PRECISO!!!
A APROFFIB apoia e convida a todos para GREVE GERAL no dia 30 de junho
"Morrer ou deixar morrer" Não é querer fazer alusão as ideologias nazistas ou a qualquer tipo de ideologias, nem é ser anarquista, mas pelo contrário, é suscitar uma atitude crítica na sociedade em que vivemos. Recordarmos Nietzsche quando diz que nos tornamos passíveis diante dos problemas sem questionar ou lutar, enfim quando fugimos dos nossos direitos, transferimos o nosso poder a outras pessoas. Assim nós o perguntamos “morrer, ou deixar morrer”? Morrer é lutar pelos seus direitos, é lutar pela vida é fazer algo de sua existência, e deixar morrer é simplesmente cruzar os braços para tudo, para sociedade e principalmente para esse governo que nos massacra e tira de nós trabalhadores o direito à vida digna, o direito ao trabalho digno e principalmente o direito de se aposentar. E hoje, o que estamos fazendo? Durante o nazismo, o povo alemão matou e deixou morrer “por não saber o que ac…

RESPOSTA AO ARTIGO DO JORNALISTA PAULO CHAGAS: Sobre a história do Brasil

Por Chico Gretter: Ontem recebi um relato de um tal jornalista Paulo Chagas que elogiava os generais do regime militar e atacava o Lula, comparando a abnegação dos militares com o oportunismo do petista e acusou os "brasileiros" de profunda ignorância sobre a nossa história... Não entrando em questões pessoais de quem é mais bonito, fiz a seguinte reflexão:                                                                                                                   RESPOSTA AO ARTIGO DO JORNALISTA PAULO CHAGAS: sobre a história do Brasil, como professor de História que sou, devo discordar de várias afirmações do jornalista Paulo Chagas sobre a época do regime militar. Os generais que governaram o país por 21 anos podem ter sido honestos, mas a política de alinhamento de nossa economia ao capitalismo internacional/$USA que ainda domina a América Latina sempre provocou uma dependência muito grande de nossos países aos EUA, sem falar nos milhares de presos, torturados, exil…

“ESCOLA SEM PARTIDO”: O QUE ISSO SIGNIFICA?

Por Dermeval Saviani

No Brasil o atual governo, resultado de um golpe parlamentar, vem tomando várias iniciativas na direção do abastardamento da educação. A par de medidas como cortes no orçamento, destituição e nomeação de membros do Conselho Nacional de Educação sem consulta, um sinal emblemático da intervenção nos próprios conteúdos e na forma de funcionamento do ensino é o movimento denominado “Escola sem partido” que se apresenta na forma de projetos de lei na Câmara dos Deputados, no Senado Federal e em várias Assembleias Estaduais e Câmaras Municipais do país.

O referido projeto é chamado por seus críticos de “lei da mordaça”, pois explicita uma série de restrições ao exercício docente negando o princípio da autonomia didática consagrado na legislação e nas normas relativas ao funcionamento do ensino. A motivação dessa ofensiva da direita tem um duplo componente.

O primeiro é de caráter global e tem a ver com a fase atual do capitalismo que entrou em profunda crise de caráter e…