Pular para o conteúdo principal

Ubuntu: Uma Filosofia Africana!



Ubuntu é uma ética ou ideologia de África (de toda a África). É uma filosofia africana que existe em vários países de África que foca nas alianças e relacionamento das pessoas umas com as outras. A palavra vem das línguas dos povos Banto; na África do Sul nas línguas Zulu e Xhosa. Ubuntu é tido como um conceito tradicional africano.
Uma tentativa de tradução para a Língua Portuguesa poderia ser “humanidade para com os outros”. Uma outra tradução poderia ser “a crença no compartilhamento que conecta toda a humanidade”e ainda “Sou o que sou pelo que nós somos”.
Uma tentativa de definição mais longa foi feita pelo Arcebispo Desmond Tutu:
Uma pessoa com ubuntu está aberta e disponível aos outros, não-preocupada em julgar os outros como bons ou maus, e tem consciência de que faz parte de algo maior e que é tão diminuída quanto seus semelhantes que são diminuídos ou humilhados, torturados ou oprimidos.

Na esfera política, o conceito é utilizado para enfatizar a necessidade da união e do consenso nas tomadas de decisão, bem como na ética humanitária.  A ideia de ubuntu inclui respeito pela religiosidade, individualidade e particularidade dos outros.


A jornalista e filósofa Lia Diskin durante o Festival Mundial da Paz, ocorrido em Florianópolis, em 2006, contou o seguinte caso de uma tribo na África:

Um antropólogo estava estudando os usos e costumes da tribo Ubuntu e, quando terminou seu trabalho, teve que esperar pelo transporte que o levaria até o aeroporto de volta pra casa. Como tinha muito tempo ainda até o embarque, ele propôs, então, uma brincadeira paras crianças que achou ser inofensiva.   Comprou uma porção de doces e guloseimas na cidade, colocou tudo num cesto bem bonito com laço de fita e colocou debaixo de uma árvore. Aí ele chamou as crianças e combinou que quando ele dissesse “já!”, elas deveriam sair correndo até o cesto e a que chegasse primeiro ganharia todos os doces que estavam lá dentro.  

 As crianças se posicionaram na linha demarcatória que ele desenhou no chão e esperaram pelo sinal combinado. Quando ele disse “Já!” instantaneamente todas as crianças se deram as mãos e saíram correndo em direção à árvore com o cesto. Chegando lá, começaram a distribuir os doces entre si e a comerem felizes.   

O antropólogo foi ao encontro delas e perguntou porque elas tinham ido todas juntas se uma só poderia ficar com tudo que havia no cesto e, assim, ganhar muito mais doces. 

Elas simplesmente responderam:   –Ubuntu, tio. Como uma de nós poderia ficar feliz se todas as outras estivessem tristes?   

Ele ficou pasmo. Meses e meses trabalhando nisso, estudando a tribo e ainda não havia compreendido, de verdade, a essência daquele povo. 


fonte: http://www.ensinarhistoriajoelza.com.br/ubuntu-o-que-a-africa-tem-a-nos-ensinar/ - Blog: Ensinar História - Joelza Ester Domingues

Conferência apresentada no V SEMINÁRIO PRESENÇA AFRICANA NO BRASIL realizado nos dias 14, 15 e 16 de outubro no auditório do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP), em Curitiba. https://youtu.be/WhmPdMdkkww


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A APROFFIB apoia e convida a todos para GREVE GERAL no dia 30 de junho

LUTAR É PRECISO!!!
A APROFFIB apoia e convida a todos para GREVE GERAL no dia 30 de junho
"Morrer ou deixar morrer" Não é querer fazer alusão as ideologias nazistas ou a qualquer tipo de ideologias, nem é ser anarquista, mas pelo contrário, é suscitar uma atitude crítica na sociedade em que vivemos. Recordarmos Nietzsche quando diz que nos tornamos passíveis diante dos problemas sem questionar ou lutar, enfim quando fugimos dos nossos direitos, transferimos o nosso poder a outras pessoas. Assim nós o perguntamos “morrer, ou deixar morrer”? Morrer é lutar pelos seus direitos, é lutar pela vida é fazer algo de sua existência, e deixar morrer é simplesmente cruzar os braços para tudo, para sociedade e principalmente para esse governo que nos massacra e tira de nós trabalhadores o direito à vida digna, o direito ao trabalho digno e principalmente o direito de se aposentar. E hoje, o que estamos fazendo? Durante o nazismo, o povo alemão matou e deixou morrer “por não saber o que ac…

Nota da APROFFESP sobre a greve geral de 30 de junho/2017

Nota da APROFFESP sobre a greve geral de 30 de junho/2017
“Trabalhadores do mundo inteiro uni-vos!” (K. Marx)

A greve geral do dia 30 de junho foi mais uma data que marcou significantemente a disposição de vários setores da classe trabalhadora em enfrentar de forma organizada os ataques aviltantes impostos pelo governo Temer com o aval do Parlamento, que na sua grande maioria está comprometido com esquemas de corrupção e ainda com a benevolência do STF, cujos membros são indicados pelo Presidente da República, o que no mínimo nos leva a duvidar da imparcialidade de seus ministros, sempre expostos aos interesses escusos das quadrilhas organizadas nos bastidores do poder.
Embora tenha ficado nítido um recuo (que precisa ser explicado!) por parte das grandes centrais sindicais, que diferente do dia 28 de abril, não se empenharam na convocação e na mobilização para garantir uma greve geral. Mesmo assim, aconteceram grandes manifestações por todo o Brasil com repercussão em vários órgãos de i…

Concurso: DIRETOR DE ESCOLA

Gargo:  DIRETOR DE ESCOLA
Inscrições:  de 03/07/2017 a 17/07/2017
Salário:  R$ 3.834,00
Data da Prova:  03/09/2017
Nível:  Superior
Vagas Disponíveis:  1.878
Organizadora:  Nosso Rumo
Edital de Abertura
Taxa de Inscrição: R$ 82,73

O conteúdo programático está pautado na Resolução SE 56, de 14-10-2016

Segue uma versão mais organizada

Resolução SE 56, de 14-10-2016
Dispõe sobre perfil, competências e habilidades requeridos dos Diretores de Escola da rede estadual de ensino, e sobre referenciais bibliográficos e legislação, que fundamentam e orientam a organização de concursos públicos e processos seletivos, avaliativos e formativos, e dá providências correlatas
Pode ser uma chave de interpretação a definição do perfil do Diretor de Escola da rede estadual de ensino, que propicieeducação básica inclusiva, democrática e de qualidade
Diretor de Escola
Sumário 1. Perfil do Diretor 2. Princípios que orientam a ação do diretor na SEE-SP 2.1. Compromisso com uma educação com qualidade e da aprendi…