quarta-feira, 12 de março de 2014

SÓCRATES: Autoconfiança "Conheça-te a ti mesmo"



Sócrates ao proclamar-se ignorante tensionava elevar o debate fazendo com que seu interlocutor percebesse a própria  ignorância, de modo a acessar a sua verdadeira consciência. 

Sócrates  acredita que  a tomada de consciência da própria ignorância se constitui em elemento primordial na busca da verdade.

Como Sócrates, nós educadores devemos alimentar o desejo de auxiliar na edificação de um Ser Humano melhor.

Acredito que quanto maior o conhecimento de si mesmo, maior o autocontrole e a capacidade de dialogar com sigo mesmo e com o meio em que se vive. 

"Por toda parte eu vou persuadindo a todos, jovens e velhos, a não se 
preocuparem exclusivamente, e nem tão ardentemente, com o corpo e 
com as riquezas, como devem preocupar-se com a alma, para que ela 
seja quanto possível melhor, e vou dizendo que a virtude não nasce da 
riqueza, mas da virtude vem, aos homens, as riquezas e todos os outros 
bens, tanto públicos como privados." (Platão)

Fonte: Apologia de Sócrates
http://www.xr.pro.br/if/platao-apologia_de_socrates.pdf




)



No cotidiano da sala de aula, mergulho no universo dos educandos adolescentes indo ao encontro da máxima socrática “só sei, que nada sei”. Constato minha ignorância e forço-me a seguir em frente no difícil e prazeroso porfiar em busca da verdade em si.

O que é a verdade que tanto almejamos? Sócrates dizia que a verdade, quando é possível chegar a ela, está num conceito impossível de contradizer. Logo, a busca da verdade é uma constante, é a práxis filosófica em si mesma, é o distanciar-se do rebanho e contemplar o horizonte com olhar próprio. A verdade só pode ser alcançada quando partimos de nós mesmos com consciência de que somos também o ponto de chegada.

Conformar-se e “seguir o rebanho” é por vezes mais fácil, porém, a passividade é incompatível com a busca da verdade. Sócrates nos ensina que o mais  importante não é o saber e sim o que faremos da sabedoria que julgamos possuir uma vez que a sabedoria deve modificar o ser e purificar a alma. A busca da verdade é concomitante à busca da liberdade, sendo a liberdade pressuposto essencial para atingir a autoconfiança, afinal para haver escolha, é preciso conhecer o objeto escolhido.


Destarte, lecionar filosofia numa perspectiva socrática é aventurar-se nesta viagem incansável em busca da verdade intrínseca a cada ser, assumindo o desafio de “ser obstetra de alma”. Compete ao filosofo professor de filosofia “ajudar a parir a verdade de quem está predisposto a assumi-la”. No entanto, para que o educando se disponha a buscar a verdade filosófica é necessário provocar-lhe o espanto diante do já descoberto e a curiosidade diante dos mistérios do universo e da própria condição humana. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Lúcia Peixoto: Sou PSOL sonho socialismo

Do dia de hoje só espero que passe compassadamente, num constante tic-tac Que os pássaros que ouço ao longe não se cansem de cantar Que a...