sábado, 7 de janeiro de 2017

Minhas Confissões

CONFISSÕES...

Confessar-me a mim mesma, mergulhar no mais profundo do meu eu, desbravar o âmago do meu ser, caminho árduo que me pus a percorrer acreditando-me mestra de mim mesma, confiante do meu próprio saber, peguei a estrada... já nos primeiros pedregulhos tornou-se quase impossível equilibrar-me sobre os saltos alto e suportar o peso da bagagem. 
Quanto excesso me dispunha carregar!?
Qual penoso foi aquele porfiar!
Onde estou eu agora?
Numa praia “quase virgem”, sob o sol escaldante do meio-dia vestida em trajes de gala. Na contemplação do mar, num sopro de vento, me vem o oráculo de Delfos. “Conhece-te a ti mesma!” Quase que por encantamento vi meu dedo indicador desenhar na areia a imagem que a cada traço reconheci sendo de um sábio, estatura mediana, barba branca, expressão serena, voz tênue a se confundir com a brisa do mar. “Ninguém educa a ninguém, como tampouco ninguém se educa a si mesmo: os homens se educam em comunhão, mediatizados pelo mundo” .
Eureka!

Diante dele, o Mestre Paulo Freire, despi-me sem nenhum puder, lancei ao mar tudo o que reconheci de inútil em minha bagagem...  Em vestes simples, chinelas de dedo, mergulhei naquela mar... do qual sai, “meio cheia daquilo que penso saber e meio vazia do que sei que é preciso apreender.”


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Lúcia Peixoto: Sou PSOL sonho socialismo

Do dia de hoje só espero que passe compassadamente, num constante tic-tac Que os pássaros que ouço ao longe não se cansem de cantar Que a...